Churrasco: Memórias, Tradição e Família

churrasco

Lembra do seu primeiro churrasco? É lá da infância que vem toda essa cultura que está tão presente nas nossas vidas

Acordar tarde nos domingos de manhã e sentir aquele cheirinho de churrasco vindo da churrasqueira é uma rotina que segue a gente desde de pequeno. Aliás, domingo e churrasco não seriam completos sem algum clássico do futebol rolando alto na televisão.

Adicione aí aquela salada de batata da sua avó e o pão com alho da sua mãe,o ritual de tratar de providenciar os acessórios para a festa com todo o mundo. São memórias inesquecíveis.

Churrasco em família é tradição de muitos brasileiros, independente da cultura e das diferentes formas de assar a carne. O que importa é todo o ritual por trás: juntar as pessoas, escolher e temperar as carnes para o churrasco, acender o fogo, preparar as saladas, o arroz, o feijão, a mandioca…

Quem nunca pulou o café da manhã de domingo porque já sabia que o almoço seria aquele churrasco do papai? É difícil dizer não para um bom corte de picanha pingando no fogo, ao lado daquele espeto de cebola com pimentão.

E o vinagrete? Não existe sabor mais compatível com um bom filet mignon que um vinagrete com bastante tomate!

Churrasco e memória

Na infância o churrasco simboliza algo ainda maior. É geralmente quando começamos a ter alguma liberdade de ajudar o pai e a mãe na cozinha. É quando aprendemos sobre os sabores e tradições das nossas famílias.

Afinal, fomos nós que ajudamos a descascar as batatas, que fizemos as argolas de jornal da semana passada para acender o fogo e que fomos correndo no mercadinho buscar o refrigerante e as cervejas que faltavam.

Hoje repetimos o ritual para nossos amigos. Planejamos com uma semana ou mais de antecedência. Dividimos as tarefas, todo mundo contribui, todos participam. Porque é isso que um dia de churrasco faz: une as pessoas. E a carne? A carne tem que ser escolha do assador.

Nessa cerimônia brasileira do churrasco, o assador é como um pajé. É a pessoa do grupo mais experiente, que sabe tudo sobre carnes e que conhece os diferentes tipos de espeto como a palma da mão.

É aquele tio barbudo, quando somos pequenos. É aquele namorado louco por futebol, quando crescemos. É uma amiga que mais parece uma irmã, que anda contigo para cima e para baixo desde que você nasceu.

É sempre alguém escolhido e respeitado pelo grupo. Porque assar a carne não é uma tarefa simples, exige mais que conhecimento, exige paixão. É uma arte.

churrasco

Como preparar um bom churrasco

Trazer aqueles dias da infância de volta não é difícil. Porém exige algum preparo. Primeiro você vai precisar juntar seus amigos, ver quem é quem: o assador, o responsável pelo fogo, o responsável pelas saladas e acompanhamento e, é claro, quem vai trazer a cervejinha gelada.

Churrasco é coisa de um dia inteiro. Como a carne tem que assar devagar, é sempre bom ter petiscos, senão todo mundo morre de fome ou fica bêbado antes da refeição principal.

Enquanto preparam a churrasqueira, alguém já vai temperando o coração de galinha, o salsichão e o pão com alho. Essas coisas têm que assar primeiro. E se lembra daquela dica superimportante do seu avô?

Na carne bovina não se coloca nenhum tempero, apenas sal grosso! O galeto e o lombinho podem marinar no vinho com alho e salsa um dia antes, mas a picanha, jamais.

Escolhendo no açougue

Falando em picanha, você se lembra como escolher a carne? Você com certamente recorda sua mãe no supermercado com você ao colo analisando os carimbos nos pedaços vermelhos de carne de boi.

Esses carimbos são da inspeção sanitária e também indicam a procedência da peça. No entanto, sua mãe provavelmente não demorava muito, porque ela já era amiga do açougueiro.

Quem faz churrasco acaba por adicionar um membro à família: o açougueiro. Chegar no açougue e já saber que aquele profissional lhe conhece e separou o melhor para você é um alívio.

E quando vocês voltam no supermercado nos dias a seguir e o papo é só sobre como estava aquele pedaço de maminha? Sem falar que quando temos um açougueiro de confiança, podemos levar a carne já limpa e pronta para mergulhar do sal grosso para as chamas.

Quanto mais vermelhinha, mais fresca. Se opta pelas embaladas à vácuo, escolha as que têm menos sangue em volta: é sinal de que elas perderam menos líquido e ficarão mais suculentas depois de assadas.

Acender o fogo

Essa é uma tarefa que reúne as crianças. Elas podem ajudar a enrolar o jornal para manter e secar o carvão. Como o fogo tem que ser aceso quase 1h antes do churrasco, o ideal é já ter tudo arrumado no dia anterior.

Até porque fazer churrasco é um ritual lento, que deve ser apreciado e degustado. Seja qual for o método utilizado, não tem nada mais mágico que ver as primeiras labaredas clareando o carvão.

Aquilo que a física explica, porém é difícil compreender. Depois que passam as maiores labaredas, e o carvão fica uniforme, escondido pelo fogo, está na hora de começar.

Se você vem de família churrasqueira tradicional, saberá que atirar um pedaço de gordura ao fogo antes de por os primeiros espetos é um dos maiores segredos do bom churrasco. Feito isso, é hora dos pedaços maiores entrarem em cena.

Em cima deles, os petiscos. Isso porque aqui a ordem dos fatores altera o churrasco. Já consegue sentir o aroma do pão com alho? Não vai esquecer ele lá!

A salada de maionese que está há séculos na família

Cada um tem sua receita. Cada mãe, avó, tia e sobrinha tem seu elemento especial. Às vezes é feita com ovo cru, outras com ovo cozido. Tem umas com salsinha, outras com cebolinho.

Não importa a receita, você sabe qual é aquela especial mal coloca o garfo na boca. Essa é outra coisa deliciosa de um bom churrasco, os acompanhamentos.

O dia que alguém da sua família parar para lhe ensinar a fazer essa maravilha, pare, escute e anote. Você, no futuro, será o encarregado pela continuação da tradição no seu núcleo familiar.

Assar não é grelhar

Muitas pessoas confundem o assar da carne com um mero grelhar. A diferença é enorme, o ato de grelhar é rápido, enquanto que o primeiro é devagar.

Uma picanha inteira, por exemplo, deve ir para o fogo com a capa de gordura para cima. Só depois de dourada é que se vira a gordura para o fogo, para que fique crocante.

Quem não segue essa dica acaba por comer carne muito seca. As carnes que levam mais tempo, como a costela, têm que entrar na brasa primeiro. Elas vão aromatizar os seus aperitivos.

Não se esqueça que o momento de salgar a carne é só na hora de pôr o espeto no calor. Antes perde toda a graça e depois faz com que asse mal.

churrasco

Carnes

As carnes de outros tipos, como suíno, frango e cordeiro, devem ser temperadas com antecedência, ou não apreendem o sabor. É interessante pensar em sabores diferentes para cada tipo:

Carne de suíno: Misturar mostarda, sal, mel, suco de laranja, cravo-da-índia e ervas frescas variadas.

Carne de cordeiro: Utilizar apenas alho, sal, azeite, alecrim e vinho branco.

Carne de frango: É a mais versátil e vai bem com praticamente tudo. Eu gosto de marinar com suco de limão, sal, pimenta do reino e vinho tinto.

E tem também a linguiça e o salsichão. Muitas vezes, na falta de grana, você participou ou fez churrasco sem carne, ou o tradicional chóripan. Quando só tem salsichão, linguiça, salada e pão.

Falando nisso, a linguiça do churrasco é para ser picante. O salsichão também. A ideia é amenizar o ardido da pimenta com a farofa temperada. Também porque assim ninguém se entope com as entradas antes do prato principal.

churrasco

Se o assunto for galeto

O Brasil é um país com uma enorme imigração e influência italiana. Por isso o churrasco, por aqui, tem variações como o galeto. No galeto, o frango é a estrela do show.

Aí tudo muda. Os acompanhamentos mudam, a bebida muda.

Com o frango, vai bem uma polentinha frita, pão caseiro, uma sopa de capeletti e muito queijo. Sem falar que onde tem galeto, tem uma jogatina.

Junta-se toda a italianada para ver quem joga melhor as cartas. Nessas horas, é preciso saber muito sobre as melhores facas para cortar, temperar e espetar o frango. Vale lembrar que pode deixar as partes diferentes da galinha marinadas em molhos diferentes para ter mais variedade.

churrasco

Quando junta a galera

Ah, e tem sempre aquele casal que não pode faltar num churrasco com os amigos. Aquela combinação amada do Oiapoque ao Chuí: feijão com arroz. Seja no churrasco, no galeto ou só para animar um domingo, essa dupla não pode ficar de fora.

E quando falamos de feijão com arroz, pode trazer junto aquela farinha de mandioca. Feijão sem farofa é um feijão triste. Os mineiros ainda adicionam a couve refogada com bacon.

O pessoal do Nordeste curte a combinação feijão, churrasco e banana frita. No Sul, o que sobra do arroz e do churrasco vira carreteiro no dia seguinte.

Cada Estado tem seu método e tradição. Mas verdade seja dita: todos adoram uma boa churrascada. E aí que vira tudo uma festa, está na hora de pensar em detalhes menores: luz, som e ambiente.

Churrasco é uma comida pesada e que tem um evento que às vezes vai do almoço ao jantar. Por isso convém faze-lo em um lugar descontraído, onde seus amigos possam se sentar, relaxar e aproveitar. Uma iluminação baixa e uma música agradável ajudam a criar o clima perfeito.

Se for na praia ainda melhor. Nada combina mais com verão que churrasco, futebol e cerveja gelada.

E os vegetarianos?

Nesse evento de família ou entre amigos, ninguém pode ficar de fora. Por isso é legal ter alternativas para aquele primo vegetariano ou aquela namorada que não pode comer carne. Nessas horas, os legumes podem salvar a vida do assador.

Abobrinhas, pimentões, tomates, berinjelas e batatas ficam muito bons na brasa. Basta temperar com sal, azeite de oliva e fincar no espeto. Um segredo meu: coloque orégano nos vegetais, fica delicioso, até os carnívoros vão querer provar.

Os vegetarianos podem não comer carne, mas são gente como a gente e gostam da confraternização e do clima que o churrasco envolve. Então nada de excluir quem é diferente.

churrasco

A tal da sobremesa

Na infância, churrasco sem sobremesa não era churrasco. Isso não mudou! A carne salgada, o pão com alho e a mistura de temperos deixa a boca da gente amarrada depois de comer demais. Só um doce e um café podem dar início ao processo digestivo.

O churrasco pede doces contrastantes e marcantes. Quando é na praia, quase certo que será sorvete ou torta de sorvete. Mas a salada de fruta tradicional também é uma boa pedida.

No frio, um pudim de leite ou aquela ambrosia da vovó são tão esperados quanto toda a ementa do domingo. É que nem festa de criança, só vai melhorando. Se a ocasião for uma aniversário, não pode faltar bolo e brigadeiro.

Mas estamos falando do brigadeiro original, aquele que só tem manteiga, leite condensado e cacau em pó. Nada de receita pronta de latinha ou comprado em padaria. A graça toda está em fazer tudo em casa, envolvendo seus filhos e amigos. Todo mundo tem que por a mão na massa!

churrasco caipirinha

Você pensou que eu ia esquecer da caipirinha?

Não é só a cerveja que harmoniza bem com o churrasco. A caipirinha é outra convidada de honra. Seja com limão ou limão siciliano, a caipirinha tem que ser com cachaça. Com vodca não tem nada a ver.

Algumas outras frutas combinam bem nesse contexto, como o maracujá e o kiwi. Não se esqueça do gelo! Consegue sentir o vento da praia e visualizar aquele churrasco com uma caipirinha na mão? Então está esperando o que para começar a planejar seu próximo churrasco em família?

Corre para o celular e chama todo mundo. Mostre para seus pais o mestre assador que você se tornou. Deixe seus amigos com inveja das suas habilidades. Passe essa maravilhosa tradição adiante.

Um dia, daqui muitos anos serão seus filhos e netos escrevendo relatos como este. E você saberá, orgulhoso, que contribuiu na criação de toda uma geração.

 

Crédito das imagens: PexelsUnsplash e Wikimedia Commons

Angeloni Eletro